sexta-feira, 13 de maio de 2011

New Deal dá vida nova aos EUA


New Deal dá vida nova aos EUA

A crise do liberalismo econômico abriu portas para a reformulação das práticas capitalistas e a relação das mesmas com o poder de intervenção que o Estado tem sobre a economia. O crash da Bolsa de Nova Iorque, em 1929, colocou em xeque os princípios do liberalismo clássico ao deflagrar uma das maiores crises presenciadas na
história do capitalismo.

No liberalismo clássico pregava-se o ideal de que a economia seria um organismo auto-regulamentado. Segundo sua lógica, quanto maior a liberdade dada às atividades econômicas, maior seriam as condições para que determinado país conseguisse ampliar suas fontes de riqueza. Dessa maneira, o liberalismo clássico desaprovava qualquer esforço governamental com o objetivo de regular os costumes e práticas econômicas de sua sociedade.

De forma geral, vemos que a incrementação do setor financeiro-especulativo capitalista aproveitou das brechas estabelecidas pelo liberalismo tradicional para estabelecer uma perspectiva artificial de crescimento econômico. Agindo sob a possibilidade de crescimento da economia, a especulação financeira acabou impondo um ritmo de crescimento nem sempre correspondente à situação real da economia.

Ao sentir os impactos desse processo de artificialização da economia, exigiu-se dos Estados Unidos acriação de um modelo alternativo de desenvolvimento econômico. Eleito presidente em 1932, Franklin Delano Roosevelt tinha como maior desafio reerguer a maior economia da época. Inspirados pelos princípios do economista John Maynard Keynes, um grupo de economistas do governo propôs o chamado New Deal.

Esse plano econômico abriu portas para que o Estado tivesse participação direta na economia nacional. Entre outras ações o New Deal estabelecia o controle na emissão de valores monetários, o investimento em setores básicos da indústria e a criação de políticas de emprego. Dessa maneira, o governo de Roosevelt buscou uma recuperação econômica segura e gradual.

Além de controlar o progresso econômico, o New Deal também implantou uma série de ações que conciliavam as questões econômicas e sociais. Ao disseminar esse tipo de ação, criaram-se as bases do chamado welfare state (estado do bem estar social). Mesmo alcançando bons resultados, o New Deal perde espaço, no final da década de 1970, quando perspectivas renovadas do liberalismo começaram a ganhar espaço.

3 comentários:

Prof. Adinalzir disse...

Parabéns, Prof. Reginaldo!
Mais uma interessante aula sobre a economia norte-americana.
Um ótimo domingo!

Luiz Reginaldo Silva disse...

Profº Adinalzir,

Obrigado pelo olhar....além de ser interessante é também interativa com que faz que pessoas como você deixe um comentário..

Valeu!!

Abraços.

Prof. Adinalzir disse...

Prezado Luiz Reginaldo
Peço o seu voto no Prêmio Top Blog 2011! Clique, vote e recomende o Saiba História para todos os seus amigos! http://migre.me/4B4VR
Desde já muito obrigado!