sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Debret - Um artista a serviço da Corte portuguesa no Brasil


Debret – Um artista a serviço da Corte portuguesa na História do Brasil Império
Jean-Baptiste Debret nasceu na cidade de Paris na França em 18 de Abril de 1768 onde, iniciou sua vida profissional, sob a influência de Jacques-Louis David. Integrando a Missão chefiada por Lebreton, ficou no Brasil entre 1816 e 1831, dedicando-se à pintura e ao magistério artístico.

Em suas telas retratou não apenas a paisagem, mas sobretudo a sociedade brasileira, não esquecendo de destacar a forte presença dos escravos. Foi iniciativa sua a realização da primeira exposição de arte no país, em 1829. Debret voltou a Paris e assim faleceu ao dia 11 de junho de 1848.

Jean-Baptiste Debret começou seus estudos de arte acompanhando o chefe da escola neoclássica francesa, o pintor Jacques-Louis David, seu primo, em uma viagem a Roma, na época em que este último pintava a sua célebre tela o Juramento dos Horácios. Retornando da Itália, freqüentou a École de Beaux-Artes de Paris, mas, em decorrência da Revolução Francesa, afastou-se da pintura durante cinco anos.

Voltou à ativa, conquistando em 1798 um prêmio no Salon de Paris, no qual mais tarde exporia por diversas vezes. Em 1816, foi convidado por Joaquim Lebreton para integrar a chamada Missão Artística Francesa, que aportou no Rio de Janeiro, então sede da corte portuguesa, aqui instalada em 1808 com a vinda de Dom João VI e da família real.

No tempo em que morou no Brasil, Debret participou da fundação da Academia Imperial de Belas Artes (AIBA), realizou retratos da família Imperial, instalou uma escola particular de pintura e foi o responsável pelo primeiro salão de arte brasileiro, realizado em 1829. Com toda essa atividade, não é de se admirar que tenha se exposto à hostilidade dos artistas portugueses que então disputavam com os franceses o controle do sistema de ensino artístico no Rio de Janeiro.

Com o grande projeto Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, Debret revela sua profunda relação pessoal e emocional, adquirida em sua permanência no Brasil por 15 anos. Em 1831 o pintor solicitou licença ao Conselho da Regência para retornar à França, alegando problemas de saúde. Dois motivos o levaram a tomar tal atitude: primeiro para juntar-se a sua família e segundo, tão importante para o artista quanto o primeiro, era organizar o primeiro volume de sua obra Viagem pitoresca e histórica ao Brasil.

A Corte portuguesa aceitou tal solicitação, no entanto, condicionou-a a um retorno do artista para o "novo mundo", fato que não ocorreu, Debret deixou o Brasil em 1831 para nunca mais voltar. Mas, o artista francês jamais deixou se desvencilhar das terras brasileiras, estando profundamente envolvido por meio de sua obra, até o fim de seus dias ocorrido em 1848.

2 comentários:

Prof. Adinalzir disse...

Um belo comentário sobre a vida e a obra do grande Jean Baptiste Debret.
Inclusive eu tenho com muito orgulho em minha estante, um exemplar da "Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Parabéns pelo texto!
Um grande abraço, :)

Luiz Reginaldo Silva disse...

Fico admirado pelos seus comentários por aqui prof.Adinalzir. É de grande contribuição sua vasta colocação nos assuntos da nossa história como forma de entendimento e saber.

Quanto ao exemplar do livro este ainda não tenho, mas quem sabe nos próximos dias....

Abraços!!!e continuemos historiandos juntos.

Valeu. L U I Z