sexta-feira, 2 de julho de 2010

Cultura colonial brasileira


A Cultura religiosa foi o mais importante instrumento de colonização

A cultura religiosa foi o mais importante instrumento de colonização. Toda ela “importada” pelos jesuítas que exerceram por três séculos o monopólio da educação, do pensamento culto e da produção artística. Imbuídos do pensamento contra reformista aniquilaram aos poucos a cultura nativa.

A administração e a cultura eram subordinadas aos interesses da coroa e da igreja. Impõe-se uma cultura erudita e religiosa, baseada na retórica e nos princípios “universais” do cristianismo. Seu efeito mais drástico, além da destruição da cultura indígena, foi distinguir indelevelmente as camadas cultas, que se dedicavam ao saber, das que se dedicavam ao trabalho braçal. Durante séculos, a cultura brasileira mudou de forma, mas manteve esta função.

A mineração, no século XVIII, trouxe uma série de transformações sociais. A urbanização, o desenvolvimento de um mercado interno, o surgimento de camadas intermediárias, a abundância de trabalhadores livres. Este novo grupo social busca uma cultura que a distinga dos trabalhadores braçais. Logo se tornaram consumidores da erudição e cultura européias. Inicialmente influenciados pelos jesuítas, esta camada consegue conseguem algum grau de liberdade intelectual após a reforma pombalina que expulsa estes padres.

As primeiras manifestações nacionais, a música e a arte barroca, emergem. No entanto, predominava ainda o saber erudito voltado para os estudos jurídicos, alienado até mesmo em relação à cultura européia.

Um comentário:

Isabella disse...

Nossa muito bom, gostei !